2021 É O ANO DA CONSOLIDAÇÃO DO E-COMMERCE NO BRASIL

2020 foi, sem dúvidas, o ano do e-commerce. Com o isolamento social imposto nas principais cidades do Brasil e do mundo – que resultou no fechamento temporário de lojas físicas para contenção da pandemia do novo coronavírus – provocou um verdadeiro boom das transações virtuais, que passou de apenas uma alternativa para solução de consumo. No entanto, com a reabertura do comércio e a chegada da vacina contra a Covid-19, o consumo virtual continuará a todo vapor? A resposta é sim, de acordo com uma pesquisa da consultoria Ebit | Nielsen.

Embora mais modesto em relação ao ano anterior, as vendas do e-commerce devem crescer 26% em 2021, alcançando um faturamento de, nada mais nada menos que, R$110 bilhões, como prova incontestável da força das lojas e marketplaces no país. A projeção de impulsionamento das vendas, divulgada pela Ebit | Nielsen, prevê novos consumidores virtuais, além de mais transações por parte de quem já compra online, já que 95% dos entrevistados afirmaram que pretendem continuar comprando em e-commerces.

Julia Avila, líder da Ebit | Nielsen resumiu o dado ao dizer que “muitos consumidores entraram em 2020 por conta da pandemia e do confinamento e vemos que eles realmente se adaptaram e entraram para ficar”, mas alertou que os lojistas precisam aperfeiçoar ainda mais a experiência de vendas no e-commerce, já que “o ambiente mais confortável para o consumidor é acompanhado pela maior qualificação e preparo das lojas, seja grandes marketplaces, seja pequenas lojas que tiveram que entrar no ambiente online por conta da pandemia”.

por GB Armazéns postado 18 de fevereiro de 2021 em Blog.
Projeção da Ebit|Nielsen é de 26% de crescimento.